25.3.17

este blog faz 10 anos. estamos em festa. por termos sobrevivido. seguem-se histórias antigas, recuperadas do baú sem fundo que é a vida.
E agora quero silêncio. Chega de ouvir coisas. Não quero ouvir mais nada. Nem mais histórias a preto e branco. Quero o arco-íris. E o som do vento no campo. E umas mãos a tapar-me os olhos e uma voz a dizer-me o caminho. E quero pintar o Amor, como ele é. Um gigante vestido de vermelho.

A sensação que tenho é que um túnel de luz me passa lado a lado. Que o corpo, por dentro, deixou de me pertencer. E que, algures aqui no meio, estará a verdade.


Há um portal distante por onde passamos amiúde. De olhos tapados. Para justificar porque não vemos. Depois acordamos. E o mundo continua a ser. Longe. E o que não vimos continua a assombrar-nos. Como vozes por dentro que se não desinquietam.


"Que pequeno é aquilo contra que lutamos,
como é imenso, o que contra nós luta;
se nos deixássemos, como fazem as coisas,
assaltar assim pela grande tempestade, —
chegaríamos longe e seríamos anónimos."

Reiner Maria Rilke - O livro das imagens


Sabermo-nos vários não é brincar ao faz de conta. É assumirmo-nos na nossa plenitude. É explorar todas as nossas caras. É conhece-las e aceita-las. É, depois, termos a capacidade de as revelar. É não cairmos na tentação de justificar as nossas falhas por termos várias formas. Porque, na sua multiplicidade, o Eu é só um. E tudo isto é extraordinariamente difícil.


camadas de coisas de agora de antes e de depois


em nós gigantes e invisíveis. em mãos que apertam e se não veem. em tudo que é sem todavia existir. em nós que somos estando além. o mundo às vezes consome.
P1080912_2

"Que nada nos defina. Que nada nos sujeite. Que a liberdade seja a nossa própria substância."

Simone de Beauvoir


"And your very flesh shall be a great poem."

Walt Whitman

23.3.17

Planos a 3 meses: agarrar um desafio profissional dos bons, aguardar notícias, acabar as aulas da pos-graduação, preparar trabalho final, escrever um artigo para uma revista internacional, consulta de otorrino, cirurgia ao nariz, duas semanas enfiada em casa a recuperar, dar início a um projecto pessoal dos grandes, sonhar com o Range Rover evoque, desistir de comprar o Range Rover evoque, suspirar e mandar limpar e lavar o Peugeot, fazer um corte de cabelo novo, perder os quilos a mais que se me agarraram com os nervos, comprar roupa, comprar muita roupa, viagem de trabalho a Londres, férias na Islândia. Haja saúde!
3 dias em Londres em formação com os melhores dos melhores. coisas da vida de x...

13.3.17

afinal, a visita de corrida não será a copenhaga. será a londres. a vida de x tem arranques desaustinados amiúde. e x continua a surpreender-se todos os dias.

7.3.17

Algo diz a x que antes de viajar para Reykjavik ainda terá de ir de corrida a Copenhaga...

6.3.17

X, hoje, teve a sua entrevista de avaliação. Perante três dos seus pares mor, x falou, e ouviu. Ouviu, sobretudo. O que x vos tem a dizer acerca disso e: sejam fiéis a vocês próprios, não se rendam, não se vendam, não encarreirem, não façam favores, nem digam o que pensam que os demais querem ouvir. Sejam reais, verdadeiros, honestos, únicos. Resulta. Claro que resulta. E x riu, e fez rir, e falou sério, e deu recados. E ouviram-na. E disseram algo como "X tu és grande". X saiu a rir, da mesma forma que entrou. A vida é bonita.

1.3.17

x pediu creme para as rugas. a dermatologista disse "nah!" e receitou isto a x:

28.2.17

o que falta para a islândia:

- fato de banho
- repelente
- protector solar
- botas de caminhada impermeáveis
- casaco quente e impermeável
- corta-vento
- polares
- roupa interior térmica
- meias
- calças confortáveis
- 3 meses e meio de espera!



e x recuperou a máquina fotográfica, escondida há tanto, mas tanto, tempo.

coisas:

- x, finalmente, marcou a consulta para a cirurgia que anda a adiar há anos e que pode mudar-lhe a vida para melhor;
- x, finalmente, entregou a ficha de inscrição para algo que, certamente, lhe vai mudar o resto da vida inteira (esperemos) para melhor;
- x, finalmente, comprou o bilhete para voar para reykjavik e passar uns dias perdida algures na islândia;
- x, finalmente, está a tentar tomar conta da sua vida.


20.2.17

Foram precisos muitos meses para x recuperar a sanidade e livrar-se de todos os sintomas de stress que a acompanharam no último ano. Mas ja passou. Hoje x sente-se bem - sintonizada e tranquila. A irritação constante passou. As dores de cabeça permanentes, as tonturas e todos os sintomas que antes lhe eram estranhos, desapareceram. Falta agora recuperar a forma física. O sorriso nos olhos e a vontade, esses, já voltaram.

16.2.17

um dia na vida de x: trabalhar num relatório até às 2h da manhã. adormecer no sofá. acordar ás 7.30h. ligar para maputo para dar instruções para um trabalho. tomar banho. vestir a roupa. meter o computador na mala e sair de casa a correr. tomar café na rua. pegar no carro. atravessar a cidade. estacionar o carro. chegar ao gabinete. ligar o computador. tomar outro café. acabar o relatório em que esteve a trabalhar até ás 2h da manhã. nos entretantos, responder a vários emails e distribuir trabalhos vários. almoçar a correr. mais emails. trabalhar em dois documentos diferentes à vez. mais um café. meter de novo o computador na mala. sair do escritório a correr. pegar no carro. atravessar a cidade. entrar de novo na faculdade onde passou 6 anos de vida. 3 horas de aulas de pós gradução. arrumar a documentação na mala. pegar no carro. atravessar a cidade. estacionar o carro. entrar em casa. fazer o jantar. comer. pegar de novo no computador.  mais um trabalho para acabar. ou melhor, dois. perder a vontade. x vai mas é deitar-se no sofá e fazer festas ao gato. são 23.14h.

13.2.17

X comprou casa há seis anos. Na altura, a zona onde x comprou casa era desprezada. Hoje, e uma das zonas hype de lisboa. Na altura, a casa de x custou 122,500 euros e x gastou mais 30,000 em obras. Hoje, na zona onde x mora andam a pedir 3,500 euros por m2. Contas feitas por alto e a casa de x poderia "valer" perto de meio milhão de euros. A casa de x nem em sonhos vale meio milhão de euros. A isto se chama especulação. E quem compra nestas condições ou e estupido, ou e estupido. 

9.2.17

consequências de sair da europa no pico do inverno e aterrar em áfrica no pico do verão - ficar com o corpo todo colado, o cabelo sem jeito, a roupa a incomodar por todo o lado, as pernas inchadas... basicamente, ficar com um ar de merda!

6.2.17

6 de fevereiro de 2017. há exactamente dez anos, x dava os primeiros passos em áfrica. x chegou a maputo fugida do inverno de lisboa, e do frio que lhe tolhia a alma. em maputo, sozinha e disposta a comer o mundo, descobriu em poucos dias tanto que não conseguiu ver durante anos. ao primeiro sopro de calor africano de fevereiro que lhe arrebatou o corpo, x soube - tinha escolhido um caminho difícil mas só dependia de si torná-lo o futuro que x sabia merecer. x não tinha margem para errar. tinha apostado todas as fichas deste jogo malandro que é a vida neste caminho que desconhecia  mas que estava disposta a morder com os dentes todos. hoje, passados dez anos, x está de volta a maputo. e hoje, enquanto x fumava um cigarro debaixo das acácias no alpendre do sítio que há anos a acolheu, x sorriu e pensou como a vida, por vezes, não se engana. hoje, x desceu do avião, como há dez anos. hoje, o calor que cobriu o corpo de x, foi o mesmo de há dez anos. mas hoje, x sabia exactamente para onde ir. x chegou ao destino e foi recebida como uma pessoa da casa. com abraços e sorrisos. bem-vinda x, tu que daqui nunca verdadeiramente saíste.

4.2.17

X passa dias ao telefone com um cliente. A determinado momento x diz "aí e tal se o vosso contrato tiver um valo superior a 25 milhões de dólares...". O cliente interrompe x e diz " bom, o nosso contrato deve ter um valor entre... sei lá... um e dois bis!". X para e pensa "foda-se!".

1.2.17

Há uns meses, x ganhou um sinal estranho no corpo. Hoje, finalmente, teve uma consulta de dermatologia. Minutos depois de entrar no consultório soube que o sinal estranho era um tumor benigno sem gravidade. Ainda assim, X decidiu tirá-lo de imediato. Levou 2 minutos. Depois aproveitou para ver o couro cabeludo irritado e pedir um creme para as rugas. A médica disse que x não precisava disso e recomendou apenas um hidratante com jeitos. X e a médica riram-se a valer e depois despediram-se com dois beijinhos. Passados 30 minutos de dar entrada no hospital, x estava de volta ao trabalho. Que médica extraordinária, simpática, divertida, sem merdas e, sobretudo, eficiente. E x não a conhecia de lado nenhum. Chama-se Ana Ferreira, e da consultas no Hospital da Luz. De nada.

28.1.17

"WE WILL NOT COMPLY!"

FUCK YOU, DONALD TRUMP!

19.1.17

E x foi promovida para um cargo de gente grande. E x ficou pasmada, porque apesar de já ser grande, acha ainda que é tão pequena. A vida é estranha!

18.1.17

Num espaço de poucas horas, x falou com duas pessoas que não se conhecem. Uma dizia "vou-me divorciar" e outra dizia "vou-me casar". X reagiu a ambas com um "ah, ok". 

17.1.17

X andava há muito tempo zangada. Com o mundo, com os outros, consigo, com tudo. Mas hoje foi diferente. Hoje x sentiu o sol na pele e o sorriso rasgado em todas as direcções. Hoje x sentiu-se voltar a si. E até a voz de x ganhou um tom mais doce. 
E hoje x podia ter descolado os pés do chão. Mas não. Eles continuaram lá firmes. Do outro lado, as almas perdidas. Aquelas que x tem tendência de recolher no regaço. Mas desta vez não. X não levantou os pés. Pena que tantos estejam agora no limbo. E triste ver pessoas tristes. Mas a tristeza tem de ser curada por quem a carrega por dentro. X não chega lá. Nem tem de chegar. X chegou a idade adulta. Ainda que continue a ter muito de Peter Pan.
E daqui a 15 dias, x está de volta à África! 
Há coisas na blogosfera que x descompreende!
E x passou-se. Mandou meia dúzia de berros e tirou uma semana de férias só porque sim. Foi uma semana longa e cheia de novidades. X reencontrou-se com pessoas e tomou decisões. E fez planos, talvez pela primeira vez na vida fez planos. E, por isso, x tem como metas este ano: voltar à escola e fazer uma pôs-graduação na área que mais lhe interessa, tirar uns dias para fazer a operação que há anos anda a evitar, viajar sozinha pela Islândia, recuperar pessoas, rir horrores e viver a puta da vida como deve ser vivida - sem merdas!

16.1.17

Viagem a Islândia marcada! Ufa que tardava!
das borboletas que crescem por dentro. dos olhos que brilham. do querer mais. do querer tudo. do ir. e do comer o mundo com vontade. do correr descalça de olhos fechados em direcção ao desconhecido. da paz irrequieta no corpo de carne e de luz. hoje. e amanhã.

11.1.17

E dez anos depois a vida de x anuncia novas revoadas. Oxalá!
Tarde de sol ao pé do mar acompanhada de pina coladas. Das coisas simples que nos devolvem a alma.

10.1.17

Aquela coisa da crise dos 40 e mesmo verdade - repensamos os caminhos, ficamos hipocondríacos, com medo da morte e, por ventura, com vontade de recomeçar algures. Mas também tem coisas boas - reencontras pessoas que já não vias há 20 anos porque elas também andam meias perdidas por aí em crises existenciais semelhantes, depois de terem levado esse tempo em vidas talvez  demasiado sérias, talvez demasiado cedo.
X começa 2017 despida de tudo mas com a sensação que o futuro deixou de estar em ponto morto. 
Desafio #2017 - Escrever no blog pelo menos uma vez por dia. Nem que seja para dizer "foda-se".
E, às vezes, o que apetece é isto - despir-nos do mundo de fora e fazer do sofá o nosso império.

A luz de lisboa a tomar conta da casa. Ha dias bonitos.

8.1.17

Reorganizar a casa toda, recuperar e organizar os cds, libertar os livros, mudar as cores, destralhar, responder a mensagens há muito pendentes, recuperar o fôlego, tentar por a vida em ordem, desneurar, reencontrar amigos há muito tempo distantes. Este é o estado de x.

14.12.16

E enquanto isto, aqui não muito longe o mundo e diferente. 

8.12.16

2016

x começou o ano em lisboa. depois, apanhou um avião para algures em áfrica. passou férias entre pemba e a ilha de moçambique. voltou para o sítio algures em áfrica onde estava a trabalhar. penou as passas do algarve. voltou a lisboa. ficou doente. consultou médicos vários e fez exames a dar com um pau. descobriu que a doença que tinha era stress, manifestado em sintomas que x jamais associaria a stress. foi tratada. ficou bem. concluiu que tem de aceitar que a vida, às vezes, é uma puta. e que temos de aproveitar todos os momentos que cá estamos. partilhou casa com amigos, que se tornaram ainda mais amigos. partilhou casa com estranhos, que deixaram de ser estranhos. viajou em férias para a alemanha. esteve dentro de uma câmara de gás num campo e concentração. foi a uma volksfest. bebeu canecas gigantes de cerveja e cantou em cima de bancos. quase comprou umas lederhosen. viajou em trabalho para moçambique, viu parte dos jogos do euro em maputo. a outra parte viu em lisboa. festejou a a vitória numa esplanada cheia de franceses. foi ao marquês, mas voltou quase logo para casa. passou grande parte do dia de aniversário dentro de um avião. ouviu os parabéns à meia noite em maputo e às oito da noite em lisboa. foi ao primavera sound. e ao alive. odiou o alive. foi ao amplifest. viu explosions in the sky, sigur ros, mono e m83. passou férias a norte e a sul. cá dentro. viu uma amiga brilhante ficar doente. muito doente. chorou. riu. mas não riu tanto como o costume. enervou-se. enervou-se muito. passou-se com a emel. ajudou várias pessoas. cuidou de outras. ficou cansada. demasiado cansada. precisou de mimos. isolou-se. esforçou-se por não se isolar em demasia. nem sempre conseguiu. ganhou um dos três prémios que o sítio onde trabalha atribui anualmente. já é o segundo. sorriu.exigiu respeito. impôs respeito. foi ouvida. inscreveu-se no ginásio. nem sempre tem vontade de ir para o ginásio. chegou a dezembro com menos fé do que nos anos anteriores. e mais cansada. x não gostou de 2016. apesar de 2016 não ter sido particularmente mau para x. mas também não foi bom. e, sobretudo, não foi bom para pessoas de quem x gosta muito. e com quem x sofreu e sofre ainda em silêncio. x quer que 2017 seja diferente. e por isso vai marcar uma grande viagem que fará sozinha.

24.11.16

Quando as notícias nos atropelam. E a impotência nos toma conta. Nada podemos fazer. E queríamos poder fazer tanto. A vida consegue ser um puta.
Entravas em mim como um intruso subtil. Deste-me a morte para o resto.